Luz pulsante ou constante?

Outubro 24, 2022

Para compreender completamente qualquer tendência, é útil entender como e onde ela começou. Neste caso, foi um estudo do Dr. Michael Hamblin, professor associado da Harvard Medical School, que é um dos mais proeminentes especialistas em terapia de luz.


Envie sua pergunta


Para compreender completamente qualquer tendência, é útil entender como e onde ela começou. Neste caso, foi um estudo do Dr. Michael Hamblin, professor associado da Harvard Medical School, que é um dos mais proeminentes especialistas em terapia de luz.


Em 2010, o Dr. Hamblin trabalhou com uma equipe de cientistas e médicos para encontrar o método de aplicação mais eficaz para a terapia a laser de baixa intensidade (LLLT). Eles compararam duas variedades possíveis: onda pulsada e onda contínua. Cada método passou por uma análise rigorosa e, na conclusão, a onda pulsada emergiu como vencedora. No estudo, que foi publicado na edição de julho de 2010 da revista Lasers in Surgery and Medicine, os autores escrevem:

“Esta revisão da literatura indica que a luz pulsada geral pode ser superior à luz [de onda constante] com todo o resto sendo igual.”

A conclusão do estudo foi amplamente interpretada como significando que a pulsação é superior e, portanto, deve ser usada para todos os tipos de terapia de luz, incluindo LED.


Por que pulsar?

Existem duas razões principais pelas quais as pessoas podem estar interessadas em adicionar pulsação à sua técnica de fotobiomodulação.


1. Reduza o aquecimento do tecido.

O primeiro benefício da pulsação é provavelmente o mais bem estudado na literatura clínica.

Nas origens da terapia de luz vermelha, eles usavam lasers, mas precisavam ter potência baixa o suficiente para serem seguros e não causarem aquecimento ou queimaduras nos tecidos.

Uma das técnicas mais eficazes para reduzir o aquecimento dos tecidos e ainda obter grandes benefícios é a pulsação. Os curtos tempos de "desligamento" podem ajudar o tecido a se resfriar para termorregular e evitar o superaquecimento. evitar o superaquecimento.


2. Arrastamento de ondas cerebrais.

O segundo benefício da pulsação é induzir o arrastamento das ondas cerebrais. Sabemos que nossos neurônios podem se sincronizar com as frequências de luzes e sons ao nosso redor.

O uso de frequências como 10 Hz (para ondas cerebrais alfa) e 40 Hz (para ondas cerebrais gama) pode ajudar o cérebro a sincronizar com estados cerebrais benéficos.[3]

Esses arrastamentos de ondas cerebrais têm implicações para ajudar com doenças como Parkinson e Alzheimer e restaurar as ondas cerebrais a uma ordem natural.


Descobriu-se que quando as luzes LED são pulsadas, o tecido do corpo pode curar mais rapidamente. Quando recebe uma explosão contínua, seda a célula e mata a dor. Quando uma luz pulsada de frequência única atinge a célula, ela estimula a célula a começar a produzir mais proteína do que normalmente, como resultado, a célula se cura mais rapidamente. Mesmo quando a fonte de luz LED é retirada, a célula continua sua cicatrização. O feixe contínuo tem um efeito reverso que pode matar/aborrecer a dor, reduzir a inflamação e permitir que o tecido muscular relaxe.


Chat with Us

Envie sua pergunta